Estilo Pessoal e Moda: o que você pensa sobre isso?

Hello, strangers!

Bom, como informava o post anterior o blog ficou sem receber atualizações por um bom tempo. Por descompassos pessoais, crises existenciais com a moda e o formato padronizado dos blogs, por não querer ser mais um e por falta de tempo e ect etc etc que não cabem aqui.

Fato é que eu sinto falta de ter meu espaço pra escrever e depois de muito tempo pra pensar e pesquisar eu decidi que ele vai voltar em breve, mas com outra proposta, outra cara, outra abordagem, mais eu e você, menos do que não faz parte das nossas vidas. O que me interessa agora são as mulheres e homens reais. Pessoas que batalham contra o espelho todos os dias, que tem medos e dificuldades parecidas em muitos casos, mas que são únicas em personalidade, vida e estilo.

Para entender melhor essas pessoas e poder ajudar de verdade e produzir conteúdo útil e próximo das nossas realidades, estou realizando uma pequena pesquisa sobre as percepções em assuntos de vestuário, moda e estilo e as dificuldades que cada um tem no dia a dia.

E preciso MUITO da ajuda de vocês!
 

É anônimo e nem precisa ter intimidade com o assunto pra responder. Se você usa roupas para sair de casa já está habilitado a responder.(rs) Piadas ruins à parte, o link para respostas é esse:

http://goo.gl/forms/vu39G1xoiw

Post_Pesquisa1

Já agradeço de coração a ajuda e adianto que irei retribuir com muito amor e ótimos desejos  de uma vida plena, feliz e estilosa a todos que responderem!

​Um abraço e beijo.beijo.​

Anúncios

Traje obrigatório: diversão com glamour

dresscodemoderno3

Você sabe o que é um “dress code”? Em tradução literal, um código de vestir. E nas entrelinhas acrescenta-se: código social e/ou profissional de vestuário para cada situação, evento e locais de nossas vidas. Esse código pode ser particular, como quando descrito no convite de uma festa; permanente, como cerimoniais governamentais ou determinados locais de trabalho; ou convencionados, que são os casos em que você sabe que deve se vestir de determinada maneira, mesmo que não esteja descrito em nenhum lugar, simplesmente porque as pessoas ao longo do tempo se habituaram a frequentar tal local em uma maneira de vestir comum. Esses códigos estão em praticamente todas as situações da nossa vida e seja por respeito ou para ser respeitado, é sempre bom seguir essas regrinhas (in)visíveis.

 dresscodemoderno1

O que eu venho notando é que ocasiões de lazer, casuais e despojadas têm cada vez mais aumentado o nível de “arrumação” necessário. Explicação? O que me parece é que a moda, com informação muitíssimo democratizada através da internet, têm ampliado as marcas e opções, elaborado mais nas criações, gerado cada vez mais desejos e ampliado o potencial de consumo. Isso significa que as pessoas têm comprado mais e mais peças “desejo”, acessórios elaborados e isso não pode ficar no armário esperando uma ocasião mais legal para ser usado. Então elas têm sido incorporadas ao cotidiano, baladas, café com amigos, festas vespertinas etc.

dresscodemoderno2

Acho que essa coisa de visual despojado, chique mas usável, hi-lo – nos bons casos – virou mesmo um dress code contemporâneo. Vejo que em tempos de “look do dia”, facebook e instagram o que tem importado para as mulheres por aí é sair bem na foto e de preferência com uma das tendências da vez. Isso é ruim? Sim e não. Eu tenho váaaarias críticas a alguns comportamentos desse tipo, mas adoro ver as pessoas se arrumando mais no dia a dia e procurando estar com um visual legal em qualquer hora e lugar. Pessoas sendo mais criativas na hora de escolher a roupa e se preocupando mais com peças mais trabalhadas, que valorizam o design de moda. É claro que ainda não é a maioria das pessoas e dependendo do lugar talvez você pareça “arrumada demais”. Mas e daí? Se o fato de a moda “estar na moda” for o responsável por essa mudança de comportamento e do dress code do cotidiano, tanto melhor. A moda, mesmo que vá muito muito além disso, também é criar desejo, impacto e esbanjar glamour. É a parte divertida e fútil da coisa toda e que se usada e entendida na medida certa, só deixa a vida mais bonita e a autoestima lá em cima.

Então, minha dica de hoje é: não ligue de estar “arrumada demais”. Divirta-se na hora de se arrumar, seja criativo, use o potencial de seu guarda-roupa e está tudo certo! ; )

Que espetáculo: MTP dia 1

O Minas Trend Preview do inverno 2012 começou e terminou aqui em BH. Mais uma vez não pude ir, entre a Pós e trabalho não deu. Isso não significa que eu não tenha acompanhado avidamente tudo que aconteceu por lá. Achei a cobertura dessa temporada menos incursiva. Nas outras tinham mais sites e blogs falando sobre o evento e os que abriram espaço nessa edição produziram pouco conteúdo. Para mim isso é um sinal ruim, vamos ver né? Como já disse na última edição, o MTP ainda é meio deslocado, não achou muito seu lugar e talvez por isso esteja perdendo espaço na mídia especializada. Sei lá, suposição.

 

Já sobre os desfiles, o dia 1 foi proveitoso, vi muita coisa que gostei e um avanço na qualidade de algumas marcas. A primeira a desfilar foi a Mary Design. Pessoalmente eu adoro e acho o trabalho incrível, mas não gostei mesmo da apresentação no MTP. Acho o conceito e a ideia de performance muito bons, mas a execução foi ruim. A construção ficou muito exagerada e a proposição da imagem de moda se perdeu no caminho, comprometendo o conceito e a própria apresentação das peças. Não se vê quase nada do trabalho da marca. Inclusive a base de roupas que sustentava a produção era mal feita, fiquei chocada.

 

 

Ps.: adorei esse sapato.

 

A segunda apresentação foi da marca Maria Garcia, uma grata apresentação da segunda linha de Clô Orozco. O desfile foi bom, agradável de se ver. É uma moda urbana, feminina e jovem que foge aos estereótipos tradicionais. Tem um pouco de retrô e tem muito de atual. Assim como quase todas as coleções do MTP, ela foi completamente comercial, mas não perdeu o charme. Poucas cores: cinza, preto, branco, creme e rosa choque. A silhueta é variada e há uma coordenação entre tecidos fluidos e pesados que combina com nosso inverno. Os destaques foram a pantalona preta, a saia midi estampada e as golas de pele falsa (lindas).

 

 

Mais uma apresentação de acessórios com Claudia Arbex. Para mim foi a mesma coisa que ver a última coleção. O mesmo trabalho com pérolas e correntes e inclusive peças muito parecidas. Decepcionante.

 

 

A Apartamento 03 fez um bom desfile também. Bom trabalho com tecidos principalmente. A imagem é muito urbana e sofisticada apresentada também em cores muito sóbrias: preto, azul marinho, cinza e vinho. Destaque para as aplicações de alfinete nos tecidos e colares.

 

 

Em sua primeira apresentação no MTP a E.Store fez um trabalho urbano, atual, sexi e cheio de peças que já desejamos: saia longa com transparência, muita camisaria, vestido-camisa com frente mais curta, fenda e macacão. Uma coleção comercial bem feita, mas sem nenhuma novidade de moda. Tudo já está aí. As cores são preto, branco e azul marinho.

 

 

 

O designer de bolsas Rogério Lima seguiu a fila. Eu particularmente acho o trabalho do designer de muito mal gosto. E em edições anteriores havia muita peça copiada de grifes internacionais. Acho que o trabalho da marca não convence em nada. O brilho metalizado das peças é brega e o trabalho com a pele poderia ter ficado bom, mas não chegou lá.

 

 

Encerrando o primeiro dia entrou na passarela a grife Última Hora. Ótimo fechamento, inclusive. A marca que fez um desfile muito ruim de verão, mas se reorganizou, conseguiu manter a sua pegada de estilo e construir uma coleção ótima. Um inverno mais colorido, muito setentista (característica da marca) com ótimas peças. Mix de estampas, texturas e estilos. Vimos muito tweed e alfaiataria com uma cara rústica, silhueta ajustada ao corpo em comprimentos longos ou curtos. Gostei mesmo, muito bem feito. Não acho que traz nenhuma imagem nova, mas deu uma boa refrescada.

 

 

 

Então é isso. beijo. Beijo.

 

Imagens: Flickr Na Mídia Comunicação

Conceito: moda -> quer colaborar?

Cheirinho de novidade no ar. Daquelas que você cruza todos os dedinhos para dar certo. O negócio é o seguinte: o Moda Esporte Clube quer realizar um editorial bimestralmente para o blog  e os nossos leitores.  Para esse projeto acontecer é preciso que várias pessoas acreditem na ideia e queiram colaborar. Várias cabeças diferentes, com ideias e contextos distintos para produzir imagens e conteúdo de moda, sempre lembrando que a moda é reflexo da sociedade.

É por isso que eu convido, QUER COLABORAR?

Fotógrafos

Marcas e lojas de roupas, acessórios e sapatos

Maquiador e cabelereiro

Designer gráfico

Produtor de moda

Eu faria a produção executiva e styling (em conjunto com mais uma pessoa). Ninguém precisa já ter trabalhado com moda/editorial, mas precisa querer fazer parte do projeto e ter vontade de se divertir fazendo algo muito legal. É para quem acredita em uma moda livre, sem amarras que respeita os indivíduos por quem eles são.

Para se candidatar ou pedir mais informações: modaesporteclube@gmail.com

Divulga aÊ pra todo mundo que você conhece!

Que espetáculo! -> Minas Trend Preview – dia 2

O segundo dia de MTP foi bem melhor, ainda muito comercial e com pouco “preview”. Algumas marcas entraram relativamente bem e outras escorregaram feio. O que mais me decepciona são as “cópias”! Como já disse aqui, elas são super aceitáveis em fast-fashions e lojas que só estão preocupadas em vender e não em criar moda. Em um evento que carrega a proposição de criar e antecipar tendências isso é inaceitável. Também achei que o styling deixou mito a desejar, quase nada de propostas interessantes, bem mais do mesmo… =/

Enfim… passada a raivinha vamos às fotos! Separei as melhores produções, mais atuais e mais originais na minha humilde opinião. Os primeiros desfiles do dia foram no Inhotim, delícia né?

Esse é o da GIG.

Aqui, destaque para as formas túnicas/batas quadradonas, soltas ou com cintinho, são promessas para o verão. Bordadas, estampadas…

Patrícia Motta

Patrícia Motta fez um desfile mais interessante. O trabalho com o couro em cores, silhuetas e recortes ficaram interessantes na maioria das entradas. Destaco a cor laranja (que também apareceu bem no desfile da Gig) e a inspiração setentista. Os looks e o styling com chapéus e as flores lembrou um pouco Marc Jacobs verão 2011, rolou uma inspiração?

Vivaz

A marca é de moda festa e trouxe o que se pode esperar so segmento: brilho, tecidos esvoavantes, bordados e cores pratas, cinzas, beges e dourados. Feminina, com ar retrô e cintura marcada. O trabalhos com o tecido nas duas primeiras fotos ficou bom.

Mary Design

O desfile da marca é sempre um respiro. A designer se joga nas inspirações e constrói imagens muito bonitas. Dessa vez tudo era MEGA e muito brasileiro. Muitas voltas, detalhes, materiais, misturas e trabalho. Vamos ver como isso vai ser desdobrado nas lojas. Acho que vaos querer tudo.

Patogê

A marca fez um desfile melhor que a concorrência do dia anterior. Trouxe algumas tendências anunciadas: branco, macacão/jardineira, metelizados e rendas/crochês.

Chicletes com Guaraná

Inspirada em tema oriental a marca fez um desfile com baixos e altos. Pra ficar de olho nos plissados do fim do desfile. A cor vermelho/rosa de algumas peças é incrível.

Chouchou

A marca jovem teve uma inspiração bacana na mulher maravilha, mas perdeu o fio da meada, voou longe demais e as referências ficaram confusas, misturadas. Algumas coisas bem fofas apareceram porque isso a marca faz bem. Os super heróis vão aparecer mais nessa temporada, pra ficar de olho também!

Blue Banana

A marca fez uma mistureba sem fim, tentou colocar vários hits juntos e ficou muito ruim. Algumas peças separadas até ficariam legais, mas as produções que entraram na passarela não funcionaram.

Alessa

Por fim a Alessa desfilo folhagens e flores. As formas não variaram muito (tem muita túnica), mas as estampas ficaram bonitas. O tecido metalizado poderia ser melhor trabalhado.

Que vocês estão achando do nosso próximo verão????

Que espetáculo! -> Minas Trend Preview (dia 1)

O Minas Trend Preview é atualmente um dos eventos mais importantes da moda brasileira e encerrou suas atividades da estação primavera/verão 2012 no sábado último. A sua proposta é ser um pré-lançamento de tendências a cada estação, mas a realidade ainda não passa exatamente por aí. O evento cresceu mais em termos de salão de negócios e hoje é respeitadíssimo nesse quesito, as marcas que expõem têm fechado cada vez mais cotratos nacionais e internacionais.

Já os desfiles ainda deixam muito a desejar, salvo exceções. Foram 21 em três dias com nomes locais e de outros estados. Eu tenho uma super boa vontade na hora de assistir os defiles do MTP, bairrismo sabe? Mas tenho sempre muitas decepções. Espero que o evento possa chegar ao patamar que Minas merece e tem competência de fazer. Prefiro que vocês julguem com as imagens e como são muitas, os comentários serão reduzidos. Vamos ao primeiro dia de evento:

Cavalera

Referência Color Block, silhueta despojada e homenagem ao bom e velho All Star. Nas estampas aparecem principalmente o xadrez e as listras e nos tecidos jeans, brins e malhas. Absolutamente nada de novo. Mas é fácil e confortável para o dia a dia.

Cláudia Arbex

Acessórios que são mais importantes que a roupa, é isso que Cláudia Arbex faz. São peças absurdamente trabalhadas, sempre maxi que ocupam principalmente o pescoço e o colo. Para o verão a base é dourada, com correntes, pedraria em miçangas e canutilhos, flores de metal e um jeito boho, étnico.

DTA

O desfile foi confuso e óbvio para a estação. A silhueta ficou difícil em muitas produções femininas, engordava muito até as modelos magrelas do desfile. O styling beirou o brega. O destaque positivo ficou para a aposta do jeans menos em calças e mais em outras peças e 2 entradas masculinas. Algumas peças são até bonitas, mas não procure unicidade, inovação ou preview.

Maria Garcia

A Maria Garcia foi bem fofa. Desfile coerente, bem acabado, o melhor do dia. As misturas de tecidos, estampas e cores são muito atuais a silhueta é descolada do corpo, confortável, mas muito feminina. Também nada de novo. O destaque fica para a beleza que dá o tom da coleção.

Rogério Lima

Desfilou o que sempre desfila. Modelos estruturados, extravagantes, coloridos e com muitos detalhes. Continua também colocando na passarela modelos e insirações evidentes de algumas marcas internacionais. Eu só gostei das duas últimas fotos da montagem: a pastinha e a mochila.

Última Hora

 A Última Hora peca pelo exagero, mas conseguiu um desfile razoável. Apesar de algumas referências de silhuetas e peças de marcas internacionais, tem peças interessantes. As peças com amarrações são muito parecidas as criações de Cris Barros para esse inverno.

Acho que soei um tanto catastrófica, mas tento analisar aqui com uma visão crítica e prezando por uma evolução. E vocês, gostaram de alguma coisa em especial????

Ob.: Desculpe mais uma vez pelo abandono do blog, mas eu não estou tendo quase nada de tempo. Esses dias vamos de MTP, depois tentamos voltar ao normal.

Das últimas: imagem viva

Ver editoriais é muito bom né? Melhor ainda que atualmente conseguimos ver praticamente todas as grandes revistas pela internet e com isso ter acesso a diferentes formas de interpretar e criar imagens de moda. É gostoso ler imagens, tentar entender o que elas querem dizer ou nos fazerem sentir. E muitas vezes parece tudo tão pasteurizado que é difícil deparar-se com fotografias que tenham um novo ponto de vista sobre o que a moda e a sociedade vivem naquele momento.

Separei algumas imagens que me causaram emoção. Fosse estranhamento, alívio, atração, catarse, riso, raiva… o que importa é que eu não pude ser indiferente a elas, pois elas têm algo a me dizer.

Essas são da campanha de primavera da marca Pull & Bear. Fotos de Txema Yeste.

A modelo Olga Sherer fotografada por Lina Scheynius para a edição de maio da Numéro Tokyo.

 

 Vogue Japão: a modelo Ginta Lapina foi fotografada por François Nars, com direção artística de Giovanni Bianco.

 

A L’Officiel Ucrânia tras fotografias de Ludovic Andral e a modelo Madé Van Krimpen.

Rachael Grasso e Jessica Moloney fotografadas por Zac Steinic na revista Culture.

Editorial de capa da Elle Itália. Fotógrafo Alexei Hay e modelo Hana Soukupova.

 Julia pelas lentes de Wee Khim para a Nuyou Singapore.

Tá sentindo?

 Imagens: Fashion Gone Rogue

Seu estilo: estilo X moda

Essa coluna de dicas e reflexões sobre estilo pessoal, imagem e moda começa é claro com os conceitos que nos darão base daqui para frente. Vou sempre procurar referências fáceis e claras para descomplicar esse tema que é por vezes tão confuso e que pouca gente, que sabe de como é importante, se empenha em entender. Então, vamos lá!

Estilo: o estilo, no vestuário, representa a forma de expressão pessoal através da roupa. É a sua identidade, o seu código de vestir, o que você é e a forma como você quer ser visto. Tem a ver com a diferenciação do indivíduo e com as características pessoais que o tornam único.

Moda: o gosto pelo novo. A moda é principalmente a criação e a revolução do vestuário impulsionada pela lógica do capitalismo, o consumo. De um lado arte, design, registro e de outro mercado, indústria e tendência. Simplistamente (isso existe?): moda é toda novidade que achamos linda e desejamos comprar/ter.

Onde termina o estilo e começa a moda? E como aproveitar dos dois no nosso dia a dia?

Na verdade um não se descola do outro, necessariamente. O estilo usa a moda para se manter atual, ou seja, a moda tornou-se instrumento do estilo uma vez que podemos incorporar alguma novidade que tenha identificação conosco e se misture ao que já somos. Uma vez que a pessoa se conhece e valoriza sua personalidade no vestir o consumo da moda passa a ser consciente, correto.

A moda pode facilitar e indicar mudanças, pois o estilo é mutável e deve acompanhar nossa trajetória, amadurecimento, vida profissional e pessoal.  Às vezes percebemos que novas coisas nos atraem na moda, que começamos a nos interessar por peças que antes não nos interessariam e isso pode nos indicar um caminho para mudança.

O mais importante para usar estilo e moda a nosso favor é conseguir nos entender, ter atenção com o que mais nos atrai e saber adequar o que usamos aos locais que frequentamos e às situações sociais que nos são impostas. Nunca tente parecer ou copiar alguém, tente parecer você. Pode parecer muito difícil, mas é isso que nos faz especial e nos diferencia.

“Não se esqueça de que toda pessoa é única, e que não existe estilo certo ou errado. O único estilo errado é aquele que não combina com a pessoa.”

Citação e referência: Tita Aguiar – livro Personal Stylist

As imagens são de três famosas blogueiras que conseguem aliar estilo e muita moda.

Vocês têm alguma dúvida quanto ao assunto estilo pessoal???

Hey! Ho! Lets go!

Em um universo já com tantos discursos, esse blog de moda propõe-se a despretensiosamente entreter, informar e facilitar um dilema comum às mulheres (e homens) em todas as manhãs, tardes e noites : com que roupa eu vou?

O nome já diz por si e a motivação é sim uma brincadeira com times de futebol. Certo rapaz, digno torcedor do Corinthians, é apaixonado por futebol, mas também gosta de moda, de se vestir bem. Ele é a materialização da minha comparação. Muitas pessoas amam, veneram, gritam, torcem e esgoelam-se pelo futebol mundo afora. O que eu percebi então é que eu sou apaixonada por moda, mas também gosto um pouco de futebol. Essa gritante diferença me trouxe até aqui. Eu torço pela moda e sua contínua revolução na sociedade e nos nossos dias. Meu esporte é a moda e se outras pessoas torcem também, formamos um time, certo? Moda Esporte Clube!

Da paixão veio a vontade de estudar sobre e do universo virtual e de suas possibilidades o desejo de expressar uma opinião e um olhar sobre a moda, ambos em permanente construção e modificação assim como seu objeto. Tenho 22 anos, sou publicitária, formada pela UFMG, e pós-graduanda em Design de Moda, pela Fumec. Sou de Governador Valadares no interior de Minas, amo minha família, adoro cozinhar, tenho um namorado incrível, sonho em aprender a falar Francês, prezo imensamente pelas minhas amizades e tenho uma cadela fofa chamada Babi.

Sem mais delongas: bem-vindo ao clube.